quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Segurança alimentar frente aos transgênicos




Os agricultores, plataformas civis e organizações da sociedade civil acompanham há algumas semanas a decisão da Monsanto para retirarem os pedidos de comercialização na União Europeia de suas sementes geneticamente modificadas. Depois de enfrentar os seus protestos e burocracia sem fim, a multinacional líder na produção de organismos geneticamente modificados (GMO) também encontrou oposição da Comissão Europeia, suspeito dos riscos que esta prática pode representar para a saúde e para o ambiente. E muitas das sementes Monsanto planejadas para exportar ter modificações genéticas que lhes permitem resistir a herbicidas convencionais. O cultivo leva a utilização herbicida mais elevada e mais potentes, muitas vezes, também estão disponíveis a partir da própria multinacional. Além disso, as sementes transgênicas não permitir a reprodução e devem ser adquiridos antes de cada nova safra, que é uma enorme despesa que não consegue convencer os agricultores, apesar de sua delicada situação.

A verdade é que os GMOs nunca foram enraizados na Europa. Nos últimos anos, a Hungria destruiu campos de milho geneticamente modificado; Grécia e Alemanha proibiram essas culturas, e da França proibiu o uso de qualquer semente modificada. Estima-se que em todo o mundo existam 170 milhões de hectares plantados com GMO e apenas 100 mil estão na Europa. A maioria deles estão localizados na Espanha, o único país da União Europeia que cresce o GMO em larga escala, de acordo com o Greenpeace, com 90 por cento do milho modificado. 

Monsanto, que chegou à Espanha em 1970, renovou exportação de milho MON-810, apesar da decisão da Comissão Europeia. A frouxidão da legislação espanhola, a falta de um plano claro de apoio à agricultura e cega do governo, demonstram a estreita relação entre o país e os poderosos da multinacional. Blanca Ruibal, responsável pela agricultura ONG Amigos de la Tierra adverte que 67 por cento dos experimentos transgênicos são realizadas ao ar livre na Europa são feitos na Espanha: "há uma alta opacidade em torno dessas práticas . Você nunca sabe onde eles estão localizados com suas culturas experimentais, mesmo que não haja um acórdão do Tribunal de Justiça Europeu, que exige que os governos de assinalem a sua localização. N Espanha, a informação está escondida.

Quando a Monsanto e outras empresas que buscam experiências ao ar livre para testar seus produtos, a maioria dos países europeus é negam. A Espanha não, o que se tornou um laboratório perfeito. Tal é a docilidade do Estado espanhol que os Estados Unidos pressionou e utilizado para que favoreceu, em Bruxelas, na Bélgica, a introdução dos GMOs com alguns telegramas diplomáticos divulgados pelo WikiLeaks. 

Mais um argumento apresentado pelas empresas que comercializam com GMOs, é que seu uso pode ajudar a combater a escassez de alimentos no mundo. O bilionário fundador da Microsoft, e acionista da Monsanto, Bill Gates, passou a alegação de que os transgênicos são a solução para acabar com a fome no mundo: um argumento que não se sustenta quando vemos que a maioria dos GMOs que são comercializados não são destinados à alimentação, mas a produção de ração animal. 

Na Argentina, o maior produtor de soja do mundo, mais de 90 por cento da produção é transgênica, espalhados por mais de 19 milhões de hectares de monocultura anteriormente dedicada à pecuária, legumes. Milhares de camponeses empobrecidos que viveram anteriormente a lavrar a terra migraram com suas famílias desde que a Monsanto se estabeleceu lá. 

O mesmo aconteceu na Índia com o algodão, ou no Quênia, onde uma variedade de batata-doce transgênica introduzida pela Monsanto revelou-se menos produtivos do que batata convencional. 

A informação é derrubar os muros de oligarquias empresariais e revelar as consequências à saúde pelos transgênicos e do ambiente. A decisão da União Europeia é precedida por protestos em massa no México, Argentina, Chile e Porto Rico, caracterizando uma cidadania denunciando o abuso organizado, e informando que prejudica diretamente a soberania alimentar, uma linha vermelha que não deve ser excedida por benefícios econômicos privados.

Fonte: crisis-sistemica-global.blogspot.com.br em 01/10/2013

Um comentário:

  1. Te enviei um convite no diHITT! Seguindo teu Blog! Um abraço!
    http://www.luceliamuniz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir